30 de janeiro de 2017

Resenha: O Par Perfeito

Mesmo sendo conhecido como o mais durão dos irmãos, Ryder Montgomery deixa as mulheres aos seus pés quando coloca seu cinto de ferramentas. Nenhuma delas é imune a seu jeito sexy quando está no trabalho. Sem contar, é claro, Hope Beaumont, a gerente da Pousada BoonsBoro. Ex-funcionária de um luxuoso hotel em Washington, Hope está acostumada à agitação e ao glamour, porém isso não significa que ela não aprecie os prazeres da cidade pequena. Sua vida está exatamente como ela deseja – exceto pela questão amorosa. Sua única interação com alguém do sexo oposto são as frequentes discussões com Ryder, que sempre lhe dá nos nervos. Ainda assim, qualquer um vê que há uma química inegável entre os dois. Enquanto o dia a dia na pousada transcorre sem problemas graças aos instintos infalíveis de Hope, algumas pessoas de seu passado estão prestes a lhe fazer uma indesejável – e humilhante – visita. Mas, em vez de se afastar ao descobrir que Hope tem seus defeitos, Ryder só fica mais interessado por ela. Será que pessoas tão diferentes podem formar um par perfeito? No livro que encerra a trilogia A Pousada, Nora Roberts apresenta Ryder Montgomery, que, ao tentar driblar o amor refugiando-se no trabalho, acabou sendo surpreendido pelo sentimento mais nobre e profundo que já teve. 

Título Original: The Perfect Hope
Autora: Nora Roberts
Páginas: 320
Tradução: Janaína Sena
Editora: Arqueiro
Livro recebido em parceria com a editora 

O Par Perfeito é o terceiro livro da trilogia A Pousada, escrita pela autora Nora Roberts e publicada no Brasil pela editora Arqueiro. Com 309 páginas, divididos em 20 capítulos, possui pontos de vista alternados entre os personagens. É importante lembrar que, apesar de o livro fazer parte de uma trilogia, não é tecnicamente necessário ler os outros dois volumes para compreender este aqui (porém eventuais spoilers de Um Novo Amanhã e O Eterno Namorado poderão aparecer).

27 de janeiro de 2017

Nunca Se Sabe


Logan morava em um apartamento pequeno em New York – sala, cozinha, dois quartos e um banheiro não muito grande. Passava a maior parte do tempo entre àquelas quatro paredes construindo um mundo só seu, um mundo que nenhum outro jovem da sua idade gostaria de viver. 

23 de janeiro de 2017

Resenha: Sombras Vivas

Mais uma vez no Mundo do Espelho, Jacob Reckless precisa se libertar de uma maldição que em poucos meses lhe custará a vida. Depois de tentar diferentes formas de magia, sua última opção é uma lendária balestra, capaz de dizimar exércitos, mas também de salvar aqueles que realmente precisam. Para encontrar esse objeto extraordinário, ele terá de viajar por Álbion, Lorena e Austrásia, enfrentar criaturas terríveis e competir com Nerron, um ser perigosíssimo que está decidido a derrotá-lo a qualquer custo e a ser o primeiro a encontrar a balestra, para então ser tornar o caçador de tesouros mais talentoso de todos. Jacob não tem tempo a perder. E se não fosse a presença de Fux, sua companheira de aventuras capaz de assumir tanto a forma humana quanto a figura de uma raposa, ele talvez não tivesse forças para encarar tantos obstáculos. Só assim, no limite entre a vida e a morte, ele conseguirá perceber que existem tesouros ainda mais preciosos que sua própria vida.

Título Original: Reckless – Lebendige Schatten
Autora: Cornelia Funke
Páginas: 304
Tradução: Sonali Bertuol
Editora: Seguinte
Livro recebido em parceria com a editora

Segundo volume da série Reckless, Sombras Vivas, de Cornelia Funke, é a continuação de A Maldição da Pedra e, assim como seu antecessor, é recheado de aventuras no mundo atrás do espelho. Particularmente, gostei ainda mais desse segundo volume, já que os pontos baixos do primeiro livro foram deixados para trás e a história me envolveu por completo dessa vez.

21 de janeiro de 2017

Resenha: Maus

Maus ("rato", em alemão) é a história de Vladek Spiegelman, judeu-polonês que sobreviveu ao campo de concentração de Auschwitz, narrada por ele próprio ao filho Art. O livro é considerado um clássico contemporâneo das histórias em quadrinhos. Foi publicado em duas partes, a primeira em 1986 e a segunda em 1991. No ano seguinte, Maus ganhou o prestigioso Prêmio Pulitzer de literatura. A obra é um sucesso estrondoso de público e de crítica. Desde que foi lançada, tem sido objeto de estudos e análises de especialistas de diversas áreas -história, literatura, artes e psicologia. Em nova tradução, o livro é agora relançado com as duas partes reunidas num só volume. Nas tiras, os judeus são desenhados como ratos e os nazistas ganham feições de gatos; poloneses não-judeus são porcos e americanos, cachorros. Esse recurso, aliado à ausência de cor dos quadrinhos, reflete o espírito do livro: trata-se de um relato incisivo e perturbador, que evidencia a brutalidade da catástrofe do Holocausto. Spiegelman, porém, evita o sentimentalismo e interrompe algumas vezes a narrativa para dar espaço a dúvidas e inquietações. É implacável com o protagonista, seu próprio pai, retratado como valoroso e destemido, mas também como sovina, racista e mesquinho. De vários pontos de vista, uma obra sem equivalente no universo dos quadrinhos e um relato histórico de valor inestimável.

Título Original: MAUS
Autor: Art Spiegelman
Páginas: 296
Tradução: Antônio de Marcelo Soares
Editora: Quadrinhos na Cia. 

Vocês sabem que eu tento ser cem por cento sincera nas minhas resenhas e é justamente isso o que eu vou ser aqui. Começando por agora, onde eu admito que eu simplesmente não sei o que falar sobre Maus. A minha vontade é de falar apenas uma coisa: "morria de vontade de ler Maus. Li. Estou bem triste", e não porque a história é ruim, longe disso. É porque, como toda história que fala sobre o Holocausto, é extremamente triste mesmo.

19 de janeiro de 2017

Resenha: Rio-Paris-Rio

Maria e Arthur se encontram em Paris no início de 1968. Ela estuda filosofia na Sorbonne, ele é poeta e artista de rua. Juntos vivem os excessos daqueles anos de revoluções e utopias e fogem da ditadura no Brasil, divididos entre o deslumbramento pelo que o Velho Mundo lhes oferece e a permanente sensação de que são intrusos na grande festa que é Paris. Duas vezes ganhadora do prêmio Jabuti, uma delas com a biografia Arthur Bispo do Rosário, publicada pela Rocco, a jornalista e escritora Luciana Hidalgo estreou na ficção com O passeador, romance ambientado no Rio de Janeiro da Belle Époque. Agora, em seu segundo romance, a autora narra uma história de amor, sonhos e desilusões, tendo como pano de fundo um período conturbado da história, tanto na Europa quanto no Brasil, com uma prosa poética e potente.

Título Original: Rio-Paris-Rio
Autora: Luciana Hidalgo
Páginas: 160
Editora: Rocco
Livro recebido em parceria com a editora

Sempre que tenho oportunidade de ler algum livro nacional, eu leio. Rio-Paris-Rio me chamou a atenção por causa da sinopse: dois brasileiros que se encontram refugiadas em um país diferente enquanto a terra natal sofria os horrores da ditadura. E, claro, o fato de ser "uma história de amor, sonhos e desilusões" ambientada em Paris.

17 de janeiro de 2017

Entrevista: Audrey Carlan


A Analu, que colabora aqui no Roendo Livros algumas vezes, conseguiu uma super entrevista com Audrey Carlan, autora da A Garota do Calendário. Todas as suas histórias foram feitas para proporcionar aos leitores uma experiência sexy e romântica. Seus livros já figuraram nas listas de mais vendidos de jornais, como New York Times, Washington Street Journal e USA Today. Audrey mora na Califórnia com o marido e dois filhos. Quando não está escrevendo, ela gosta de praticar ioga, tomar uma taça de vinho com as amigas e ler romances picantes. A entrevista original foi publicada no Gettub.

15 de janeiro de 2017

Resenha: Bruto

Imagine-se manuseando os cadernos de Thedy Corrêa e deixe-se levar por textos publicados tal qual surgiram: palavras simples, no estado Bruto, sem retoques. Poemas, divagações em horas de insônia e anotações de viagens se misturam com histórias sobre como surgiram as canções do Nenhum de Nós, banda da qual Thedy é vocalista e um dos fundadores. A edição deste livro também foi concebida para ser lida como se fossem anotações de rascunho no estado bruto, tanto pela capa como pelas costuras aparentes.

Título Original: Bruto
Autor: Thedy Corrêa
Páginas: 152
Editora: Belas Letras
Livro recebido em parceria com a editora

Na minha humilde opinião, o gênero mais difícil de se ler e compreender o que está lendo é a poesia. Acho que essa característica pode ser adquirida com o tempo, mas a verdade é que eu ainda não sou madura o suficiente para amar poesias e, até isso mudar, sempre vou achar livros de poesia apenas bons. Não nego que os escritos do Thedy são lindos, sejam os poemas ou as divagações noturnas. 

13 de janeiro de 2017

Resenha: Princesa das Águas

Arielle Botrel é uma nadadora famosa, prestes a viver o maior desafio de sua existência: participar das Olimpíadas pela primeira vez. Porém, ao contrário do que todos pensam, ela não possui tudo que deseja. Por ser a filha caçula de uma grande família, a garota é muito protegida e, apesar das medalhas e dos troféus, sonha com um cotidiano diferente, onde possa ser livre. Até que um dia um acidente faz tudo mudar. Arielle é apresentada a um mundo novo... E nele existe alguém que vira sua vida de cabeça para baixo. Porém, para conquistá-lo, ela terá que abrir mão de sua voz. Será que Arielle - sem uma única palavra - vai conseguir conquistar esse príncipe? E se no coração dele já existir outra princesa?

Título Original: Princesa das Águas
Autora: Paula Pimenta
Páginas: 368
Editora: Galera Record
Livro recebido em parceria com a editora 

Paula Pimenta é, provavelmente, uma das maiores escritoras de livros infanto-juvenis da atualidade. Apesar de já ter escrito outras obras, é mais conhecida pelas séries Fazendo o Meu Filme e Minha Vida Fora de Série. Recentemente lançou essas releituras das histórias de três princesas que  já conhecemos bastante, Bela Adormecida, Cinderela e Ariel, tornando-as mais antenadas e modernas. Não li os outros volumes, mas o texto de hoje é sobre Princesa das Águas — acho que nem preciso falar a história de quem nós conhecemos aqui, não é?

11 de janeiro de 2017

Resenha: O Garoto dos Meus Sonhos

Desde quando consegue se lembrar, Alice tem sonhado com Max. Juntos eles viajaram o mundo, passearam em elefantes cor-de-rosa, fizeram guerra de biscoitos no Metropolitan Museum of Art... e acabaram se apaixonando. Max é o garoto dos sonhos – e somente dos sonhos – até o dia em que Alice o vê, surpreendentemente, na vida real. Mas ele não faz ideia de quem ela é... Ou faz? Enquanto começam a se conhecer, Alice percebe que o Max dos Sonhos em nada se parece com o Max Real. Ele é complicado e teimoso, além de ter uma namorada e uma vida inteira da qual Alice não faz parte. Quando coisas fantásticas dos sonhos começam estranhamente a aparecer na vida real – como pavões gigantes que falam, folhas de outono cor-de-rosa incandescente, e constelações de estrelas coloridas –, Alice e Max precisam tomar a difícil decisão de fazer isso tudo parar. Mesmo que os sonhos sejam mais encantadores que a realidade, seria realmente bom viver neles para sempre?

Título Original: Dreamology
Autora: Lucy Keating
Páginas: 264
Tradução: Luisa Geisler
Editora: Globo Alt
Livro recebido em parceria com a editora 

Apesar de não acontecer comigo, sei que é extremamente normal começar a ter pesadelos após uma grande perda. Quando Alice foi praticamente abandonada pela mãe, uma primatologista de muito sucesso, começou a ter sonhos tão horríveis que seu pai, um cientista, teve que ajudá-la de alguma forma. Depois de um período de testes de sono, ainda criança, Alice começa a sonhar repetidamente com um mesmo garoto, Max, o garoto dos seus sonhos. 

8 de janeiro de 2017

As Decepções Literárias de 2016


Apesar de 2016 ter sido um ano de ótimas leituras, ainda tive algumas poucas decepções, principalmente comparando com a quantidade de livros maravilhosos que li. Eu gosto sempre de frisar que o fato de eu não ter gostado de determinado livro não significa que ele seja ruim. A minha opinião pode ser diferente da de vocês, então é sempre bom tirar as suas próprias conclusões. 

6 de janeiro de 2017

Resenha: Vida Dupla

Quando Kate é assassinada, a única forma que sua irmã Julia encontra de lidar com o luto é fazer o trabalho da polícia: procurar o assassino. Porém, ao descobrir que a irmã tinha perfis em sites de relacionamentos para conhecer homens e fazer sexo com eles, virtual ou não, o que antes era uma busca por um criminoso se torna uma exploração de suas fantasias sexuais mais secretas. Mas isso coloca em risco seu casamento, sua família e sua própria vida.

Título Original: Second Life
Autor: S. J. Watson
Páginas: 434
Tradução: Ana Carolina Mesquita
Editora: Record
Livro recebido em parceria com a editora 

Não adianta mais para mim aquele papinho de "não julgue o livro pela capa". Infelizmente vou continuar escolhendo o que ler assim, porque é a primeira coisa que chama a minha atenção. O que eu mais gostei na capa de Vida Dupla foi a confusão que ela me causou: se você prestar muita atenção nela, começa a embaralhar tudo. O melhor — ou pior, depende do ponto de vista — é que combina cem por cento com a historia. 

4 de janeiro de 2017

Resenha: Último Turno

Brady Hartsfield, o diabólico Assassino do Mercedes, está há cinco anos em estado vegetativo em uma clínica de traumatismo cerebral. Segundo os médicos, qualquer coisa perto de uma recuperação completa é improvável. Mas sob o olhar fixo e a imobilidade, Brady está acordado, e possui agora poderes capazes de criar o caos sem que sequer precise deixar a cama de hospital. O detetive aposentado Bill Hodges agora trabalha em uma agência de investigação com Holly Gibney, a mulher que desferiu o golpe em Brady. Quando os dois são chamados a uma cena de suicídio que tem ligação com o Massacre do Mercedes, logo se veem envolvidos no que pode ser seu caso mais perigoso até então. Brady está de volta e, desta vez, não planeja se vingar apenas de seus inimigos, mas atingir toda uma cidade. Em Último turno, Stephen King leva a trilogia a uma conclusão sublime e aterrorizante, combinando a narrativa policial de Mr. Mercedes e Achados e perdidos com o suspense sobrenatural que é sua marca registrada.

Título Original: End of Watch
Autor: Stephen King
Páginas: 384
Tradução: Regiane Winarski
Editora: Suma de Letras 
Livro recebido em parceria com a editora

Vocês sabem que eu estava esperando por Último Turno desde que eu li Mr. Mercedes, não é mesmo? Graças à Suma de Letras eu consegui perder um pouquinho o medo de ler livros do Stephen King e foi uma experiência muito legal. Mas enfim, o vídeo de hoje é divido em duas partes, uma sem spoilers e outra com, mas não se preocupem que eu aviso quando começa!

2 de janeiro de 2017

Livros Cinco Estrelas de 2016


Chegou aquele dia do ano que todos esperam, a retrospectiva literária de 2016! No post de hoje vou conversar um pouquinho com vocês sobre as melhores leituras que fiz no decorrer do ano. Os livros estão em ordem de leitura, não de preferência. Lembrando que 2016 foi o ano que mais li, não é ótimo?

1 de janeiro de 2017

Top Comentarista: Janeiro 2017


Vocês têm noção que já estamos em 2017? Feliz ano novo para todos vocês que me acompanharam no ano passado, que participaram das promoções e dos top comentaristas e, principalmente, que me deram apoio lendo e comentando nas resenhas! Deixando a conversa de lado, o prêmio primeiríssimo top comentarista do ano é o livro Princesa das Águas, da autora Paula Pimenta.  O período de inscrições vai do dia 01/01/2017 ao dia 01/02/2017, sempre lembrando que este último dia é apenas para vocês regularizarem os comentários.
 
Layout feito por Vinícios Costa | Todos os direitos reservados ©