14 de janeiro de 2018

Livros Cinco Estrelas de 2017


Os meus posts preferidos do mundo de ler são as retrospectivas literárias, então nada melhor do que manter essa tradição aqui no blog. Em 2017 eu não li tanto quanto gostaria, inclusive li bem menos que todos os outros anos, mas ainda assim foi muito proveitoso. Li muita coisa legal e é sobre essas leituras que vou conversar hoje. Os livros estão em ordem de leitura, não de preferência. 

A Menina Que Não Acredita em Milagres
Wendy Wunder
Editora Novo Conceito

Campbell tem 17 anos.
Ela não acredita em Deus.
Muito menos em milagres.
Cam sabe que tem pouco tempo de vida, por isso quer viver intensamente e fazer tudo o que nunca fez, no tempo que lhe resta. Mas a mãe de Cam não aceita o fato de perder a filha, assim, ela a convence a fazer uma viagem com ela e a irmã para Promise um lugar conhecido por seus acontecimentos miraculosos. Em Promise, Cam se depara com eventos inacreditáveis, e, também, com o primeiro amor. Lá encontra, finalmente, o que estava procurando mesmo sem saber. Será que ela mudará de ideia em relação à probabilidade de milagres? A Menina que não Acredita em Milagres vai fazer você rir, chorar e repensar sua conduta de vida.

Eu sou muito chegada nesses livros bem dramáticos e não nego. A Menina Que Não Acredita em Milagres e um sick-lit, mas é diferente de todas as coisas que eu li do gênero. É uma história muito bonita que mostra como é importante viver o presente e aproveitar as pequenas coisas do nosso dia-a-dia. 

Ferenc Molnár
Editora Companhia das Letras

Publicada em 1907, a história dos meninos que travam batalhas pela posse do “grund” da rua Paulo, um pedaço de terra cercado onde se brinca à vontade, é conhecida por leitores de todo o mundo. A luta pelo “grund” vai além da vontade de comandar o local: ali, infância e fantasia prevalecem sobre as imposições do mundo adulto. O espírito de aventura, amizade e heroísmo presente nesta obra é capaz de transpor qualquer barreira de tempo, espaço ou idade. Esta nova edição conta com, além dos textos presentes na anterior, uma orelha assinada por Luiz Schwarcz, um posfácio de Michel Laub e um glossário.

Acredito que não é atoa que Os Meninos da Rua Paulo é considerado um dos livros mais famosos da Hungria. Apesar de ser um clássico, não possui aquela narrativa extremamente difícil que afasta as pessoas e eu o considero uma leitura obrigatória pela forma como mostra a amizade dos personagens. Ah, o final é arrebatador, acabou comigo de todas as formas. 

Victoria Schwab
Editora Seguinte

Kate Harker e August Flynn vivem em lados opostos de uma cidade dividida entre Norte e Sul, onde a violência começou a gerar monstros de verdade. Eles são filhos dos líderes desses territórios inimigos e seus objetivos não poderiam ser mais diferentes. Kate sonha em ser tão cruel e impiedosa quanto o pai, que deixa os monstros livres e vende proteção aos humanos. August também quer ser como seu pai: um homem bondoso que defende os inocentes. O problema é que ele é um dos monstros, capaz de roubar a alma das vítimas com apenas uma nota musical. Quando Kate volta à cidade depois de um longo período, August recebe a missão de ficar de olho nela, disfarçado de um garoto comum. Não vai ser fácil para ele esconder sua verdadeira identidade, ainda mais quando uma revolução entre os monstros está prestes a eclodir, obrigando os dois a se unir para conseguir sobreviver.

O motivo de eu ter gostado tanto de A Melodia Feroz foi ele ser uma metáfora excelente para a violência que insiste em estar presente na nossa sociedade. A fantasia criada por Victoria Schwab é nada menos que sensacional. Além disso, é impossível não se apegar aos personagens. 

Saroo Brierley
Editora Record

A história que deu origem ao filme Lion: uma jornada para casa, com Dev Patel. Aos 5 anos, Saroo pede ao irmão mais velho que o deixe acompanhá-lo à cidade onde ele passava os dias em busca de dinheiro e comida. Durante a viagem, o menino adormece. Ao despertar, confuso, se vê sozinho na estação de trem. Ele não sabe onde está o irmão, mas vê um trem parado. Imaginando que Guddu poderia estar lá dentro, Saroo embarca no vagão, e isso o faz atravessar a Índia. Sem saber ler nem escrever, e sem ideia do nome de sua cidade natal ou do próprio sobrenome, ele é obrigado a sobreviver sozinho nas ruas de Calcutá até ser levado para uma agência de adoção e ser escolhido por um casal australiano. Os anos se passam e, ainda que se sinta extremamente agradecido pela nova oportunidade que os Brierleys lhe proporcionaram, Saroo não esquece suas origens. Até que, com o advento do Google Earth, ele tem a oportunidade de procurar pela agulha no palheiro que costumava chamar de casa, e investiga nas imagens de satélite os marcos que poderia reconhecer do pouco que se lembra de sua cidade. Um dia, depois de muito tempo de procura, Saroo encontra o que buscava, mas o que acreditava ser o fim da jornada é apenas um novo começo.

Impossível não se emocionar com a história de Saroo, que se perdeu do irmão mais velho em uma estação de trem quando tinha apenas cinco anos e reencontrou a família biológica 25 anos depois. É realmente uma história de superação. O livro deu origem ao filme Lion: Uma Jornada Para Casa, que é maravilhoso e conta com Dev Patel no papel do protagonista. 

Holly Black
Editora Galera Record

Uma história repleta de magia e mistérios, da autora de As Crônicas de Spiderwick. Hazel e seu irmão, Ben, moram em uma cidade onde humanos e fadas convivem. A magia aparentemente inofensiva desses seres atrai turistas de todas as partes, que querem ver de perto as maravilhas do lugar e, principalmente, o garoto de chifres e orelhas pontudas que descansa em um caixão de vidro. Hazel e Ben eram fascinados pelo garoto quando crianças. Mas, à medida que crescem, as histórias e teorias que inventavam perdem o encanto. Eles sabem que o garoto de chifres nunca acordará... Até que um dia ele acorda. Agora, os irmãos precisam se tornar os heróis que fingiam ser em suas brincadeiras e desvendar os mistérios que envolvem aquele príncipe com chifres.

Este é provavelmente o YA mais criativo que já li na vida. Holly Black conseguiu acrescentar a fantasia ao livro de uma forma que combinou bastante. A história não tem nada de complicado e é justamente esse ponto que cativa. Não é porque é simples que não mantém a curiosidade da gente do início ao fim.

Krystal Sutherland
Editora Globo Alt

Grace Town é esquisita. E não é apenas por suas roupas masculinas, seu desleixo e a bengala que usa para andar. Ela também age de modo estranho: não quer se enturmar com ninguém e faz perguntas nada comuns. Mas, por algum motivo inexplicável, Henry Page gosta muito dela. E cada vez mais ele quer estar por perto e viver esse sentimento que não sabe definir. Só que quanto mais próximos eles ficam, mais os segredos de Grace parecem obscuros. Mesmo que pareça um romance fadado ao fracasso, Henry insiste em mergulhar nesse universo misterioso, do qual nunca poderia sair o mesmo. Com o tempo, fica claro para ele que o amor é uma grande confusão, mas uma confusão que ele quer desesperadamente viver.

Ai gente, esse livro é simplesmente maravilhoso. O enredo simples encanta, o tema principal foi retratado com uma fidelidade imensa e a autora nos presenteia com personagens reais, que sofrem coisas reais e foi isso que pegou o meu coração. Está no hall de leituras preferidíssimas do ano. 

Angie Thomas
Editora Galera Record

Starr aprendeu com os pais, ainda muito nova, como uma pessoa negra deve se comportar na frente de um policial. Não faça movimentos bruscos. Deixe sempre as mãos à mostra. Só fale quando te perguntarem algo. Seja obediente. Quando ela e seu amigo, Khalil, são parados por uma viatura, tudo o que Starr espera é que Khalil também conheça essas regras. Um movimento errado, uma suposição e os tiros disparam. De repente o amigo de infância da garota está no chão, coberto de sangue. Morto. Em luto, indignada com a injustiça tão explícita que presenciou e vivendo em duas realidades tão distintas (durante o dia, estuda numa escola cara, com colegas brancos e muito ricos - no fim da aula, volta para seu bairro, periférico e negro, um gueto dominado pelas gangues e oprimido pela polícia), Starr precisa descobrir a sua voz. Precisa decidir o que fazer com o triste poder que recebeu ao ser a única testemunha de um crime que pode ter um desfecho tão injusto como seu início. Acima de tudo Starr precisa fazer a coisa certa. Angie Thomas, numa narrativa muito dinâmica, divertida, mas ainda assim, direta e firme, fala de racismo de uma forma nova para jovens leitores. Este é um livro que não se pode ignorar.

Sem sombra de dúvidas O Ódio Que Você Semeia foi o livro mais forte que li em 2016. O que acontece com os personagens da história é tão real que a gente se sente completamente desconfortável e triste, até mesmo culpados por tanta coisa injusta acontecer. Sempre quando lembro desse livro fico com aquela vontade de chorar no fundo da garganta. 

Benjamin Alire Sáenz
Editora Seguinte

Salvador levava uma vida tranquila e descomplicada ao lado de seu pai adotivo gay e de Sam, sua melhor amiga. Porém, o último ano do ensino médio vem acompanhado de mudanças sobre as quais o garoto não tem nenhum controle, como ímpetos de raiva que ele não costumava sentir. Além disso, Salvador tem que lidar com a iminente morte da avó, com uma tragédia repentina que acontece na vida de Sam e com o fato de seu pai estar se reaproximando de um ex-namorado. Em meio a esse turbilhão de sentimentos, que vão do luto ao amor e da amizade à solidão, Sal passa a questionar sua própria origem e identidade, e tenta encontrar alguma lógica para a sua vida uma tarefa que parece quase impossível.

Quando me perguntam qual o melhor livro que li em 2016, A Lógica Inexplicável da Minha Vida é o primeiro que se passa em minha cabeça. Os personagens são maravilhosos, a sensibilidade que o autor usa para falar sobre o tema principal, família, são pontos que fazem esse livro ser tão incrível. Benjamin Alire Sáenz acertou muito, assim como em Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo. 

Liev Tolstói
Editora Companhia das Letras

Em tradução de Rubens Figueiredo, com posfácio de Janet Malcolm, a obra-prima de Liev Tolstói retrata o caso de infidelidade da aristocrata Anna Kariênina, tendo como cenário uma Rússia decadente. "Toda a diversidade, todo o encanto, toda a beleza da vida é feita de sombra e de luz”, escreve Liev Tolstói no romance que Fiódor Dostoiévski definiu como "impecável”. Publicado originalmente em forma de fascículos entre 1875 e 1877, antes de finalmente ganhar corpo de livro em 1877, Anna Kariênina continua a causar espanto. Como pode uma obra de arte se parecer tanto com a vida? Com absoluta maestria, Tolstói conduz o leitor por um salão repleto de música, perfumes, vestidos de renda, num ambiente de imagens vívidas e quase palpáveis que têm como pano de fundo a Rússia czarista. Nessa galeria de personagens excessivamente humanos, ninguém está inteiramente a salvo de julgamento: não há heróis, tampouco fracassados, e sim pessoas complexas, ambíguas, que não se restringem a fórmulas prontas. Religião, família, política e classe social são postas à prova no trágico percurso traçado por uma aristocrata casada que, ao se envolver em um caso extraconjugal, experimenta as virtudes e as agruras de um amor profundamente conflituoso, "feito de sombra e de luz”.

Anna Kariênina foi um livro que me pegou de surpresa em 2016, porque eu sinceramente não esperava tanto — até porque só comecei a ler porque a Companhia das Letras lançou essa edição. O que me fez gostar de verdade dessa história foi que o autor retratou um adultério envolvendo uma mulher, numa sociedade em que a mulher não podia lá fazer muita coisa. Obviamente sou contra tudo o que Anna faz, mas é possível ver como as opiniões sobre traição são diferentes quando a parcela que trai não é um homem.

Em 2017, assim como os outros anos, eu li mais livros ótimos do que livros péssimos — e alguns medianos, é claro — e a maioria recebeu uma nota muito boa no Skoob. Fico feliz que as editoras estejam investindo em tanta coisa boa. Comentem aqui em baixo se vocês já leram algum dos meus citados e não se esqueçam de me contar o que vocês leram de bom também. 

17 comentários:

  1. Oi Ana, em 2017 eu também não li muito eu acho que faculdade e trabalho acaba tomando muito tempo da gente, mas esse ano eu vou tentar ler mais, desses livros que você citou eu só conheço A Melodia Feroz e que já está na minha lista de leitura, os outros que me chamaram a atenção foram A Menina Que Não Acredita em Milagres, O Canto Mais Escuro da Floresta e O Ódio Que Você Semeia. O meu livro preferido de 2017 foi Caixa de Pássaros me prendeu do começo ao fim e a série que eu mais gostei foi A Seleção. Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Também amei A química que há entre nós, os personagens são tão reais e a história encanta.
    Estou desejando muito O ódio que você semeia, e esses comentários positivos só aumenta o meu desejo.
    Tive a oportunidade de ler Aristóteles e Dante, e gostei muito da escrita do Benjamin. E também leio muitos comentários positivos sobre A lógica inexplicável da minha vida, então é outro que está na minha lista.
    Minha surpresa foi com A menina que não acredita em milagres; não sabia muito sobre ele, mas sempre achei essa capa lindíssima. E como amo um bom sick-lit, é certeza que vou incluir na minha lista.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. De todos só li o de O canto mais escuro da floresta e confesso que tive uma dificuldade imensa com ele. Não pegava ritmo, custei a ler. Mas é interessante.
    E o de Anna Kariênina também foi bem legal, mas li faz muito tempo. Gostei de ler essa história, todas as críticas e o retrato daquela sociedade. O autor tem uma escrita boa aí.
    Queria ler o de O ódio que você semeia, A melodia feroz, A química entre nós e o do Benjamin Alire.
    Dei sorte ano passado por pegar bastante livro que dei 4 ou 5 estrelas. Mas também não li tantos quanto queria. Vamos ver se esse ano a gente consegue muitos e bons livros né ^^

    ResponderExcluir
  4. Oi, Ana.


    De uma forma geral, até que li livros bem bons em 2017. Mais bons, do que ruins.

    Eu vou falar de um livro que não consigo esquecer, que é "Por Trás de Seus Olhos". Apesar, de eu ter odiado o final, não consigo achar ele ruim. Quer dizer, é ruim, mas não é! É bem doido, na verdade. Ele foi um dos meus destaques de 2017. E é claro, "O Lado Feio do Amor" também. Amei, é um livro que encanta e emociona muito.

    Desejo ler "A Melodia Feroz", mas não antes do segundo livro ser lançado aqui, no Brasil! 💙

    ResponderExcluir
  5. Oi, Ana! O melhor da tua lista é ver livros que não são tão populares na maioria dos rankings de 2017 que eu já vi, então sai um pouco do lugar comum. Alguns estão na minha lista, como Os Meninos da Rua Paulo e Ana Karienina, quero muito ter a oportunidade de lê-los.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Olá Ana! Você tem um gosto bem diversificado. O Canto Mais Escuro da Floresta já está na minha estante e pretendo lê-lo em breve. Gostei bastante de A Química Que Há Entre Nós pois adoro romances mais realistas e O Ódio que Você Semeia me agradou bastante também pois aborda um tema que apesar de inaceitável ainda persiste em nossa sociedade. Beijos

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Adorei a escolha dos seus melhores livros, tem vários que eu vou ler esse ano :)
    Beijos!

    Books & Impressions

    ResponderExcluir
  8. Que bom que suas leituras foram muito proveitosas, eu também não li tanto quanto gostaria. Dos livros citados por você ainda não li nem um, mas estão em minha lista de leituras os livros A Menina Que Não Acredita em Milagres, A Melodia Feroz, Uma Longa Jornada Para Casa, O Canto Mais Escuro da Floresta, A Química Que Há Entre Nós e O Ódio Que Você Semeia.

    ResponderExcluir
  9. Ana!
    Concordo com você, os livros estão cada vez melhores.
    Ano passado conto nos dedos os livros ruins mesmo que li, alguns medianos, mas li muitos livros bons de verdade e muita literatura nacional. Valeu a pena!
    Bacana sua lista dos melhores, anotei alguns que não li aqui.
    Esperemos as leituras de 2018.
    Desejo uma semana mais que abençoada e Novo Ano repleto de realizações!!
    “Que a paz, a saúde e o amor estejam presentes em todos os dias deste novo ano que se inicia. Feliz Ano Novo!” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    1º TOP COMENTARISTA do ano 3 livros + Kit de papelaria, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  10. Eu acredito que com o tempo, a gente passe a dar prioridade a leituras, filmes e outras paixões, sendo mais seletivos.
    O tempo anda tão curto que pra que pegar um livro ruim se você pode um que vai te trazer mais prazer?
    Também não li muita coisa no último ano,mas ando tentando diariamente mudar isso, sem sucesso,diga-se de passagem :/
    De todos os livros que você citou, A Lógica Inexplicável está para chegar para mim e não vejo a hora de poder ler ele.
    Melodia Feroz também está na lista de aguardo e claro, Uma Longa Jornada Para Casa também(aliás, o filme é espetacular)
    Beijo e que venham mais livros cinco estrelas!

    ResponderExcluir
  11. Olá, também tive mais leituras positivas do que negativas no último ano, mas sempre tem aqueles que se destacam, né? Estou louco para ler O Ódio Que Você Semeia e O Canto Mais Escuro da Floresta, ambos com autores aclamados pela crítica. Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Olá Ana ;)
    Adorei conhecer suas melhores leituras de 2017! Alguns desses livros já estavam na minha meta, e foi bom conhecer novas obras.
    A Química que há Entre Nós eu já tenho o livro, e espero ler ele em breve. Já sei que é um livro lindo e que vou gostar bastante!
    O que mais estou ansiosa é O Ódio que Você Semeia, e adorei sua resenha dele... quero ler pra ontem kkkk
    Tenho muita vontade de ler Anna Kariênina, até porque adorei o filme.
    Bjos

    ResponderExcluir
  13. Só livros tops.
    Já ouvi falar de alguns e anotei outros para ler algum dia pois as sinopses são fantasticas.
    Gostei bastante da sinopse de A quimica entre nós, fiquei muito curiosa para saber mais sobre a Grace.
    E tambem gostei de A menina que não acreditava em milagres, parece ser bem legal.

    http://garotaeraumavez.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. quero muuito ler O ódio que você semeia!! Li uma entrevista com a Angie e fiquei encantada com a história por trás desse livro!!! Quero muito ler A quimica que há entre nós e Melodia Feroz, que bom que gostou tanto deles, parecem ser livros ótimos e com vários ensinamentos e reflexões!! Me interessei bastante por O canto mais Escuro da Floresta!!! A Menina que não acredita em milagres é um livro que tbm quero ler.

    ResponderExcluir
  15. Oi Ana
    Li menos do que queria e pretendia em 2017, mas apesar disso foram leituras incríveis ...
    "A menina que não acredita em milagres" parece mesmo mto bom, li resenha desse livro e fiquei curiosa por ele. Já "A química que há entre nós" e "O ódio que você semeia" vem fazendo bastante sucesso, principalmente o segundo, entraram pra minha lista de desejados recentemente. Pretendo ler também, e tenho certeza de que serão ótimos livros.
    Adorei sua listinha..
    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Oi Ana,
    Ainda não li nenhum desses livros mas estão todos na minha lista de 2018! O ódio que você semeia é minha prioridade, essa edição de Anna Karenina da companhia das letras é linda, a que eu tenho é uma antiga da Abril cultural, eu estava com medo de começar esse clássico da literatura russa mas depois desse incentivo vou parar de enrolação e encarar esse calhamaço.

    ResponderExcluir
  17. Ooi Ana, também não li tanto em 2017, mas li muita coisa boa.
    Quero muito ler O ódio que você semeia esse ano.
    Os livro que mais me marcaram em 2017 foram: Extraordinário, Cinder e Ella e Rainha Vermelha.
    Bjs

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©